Rússia

A imagem que a Rússia traz de uma imensa terra gelada cheia de bebedores de vodka é um dos estereótipos mais injustos imputados a um país. Se acha que faltam cores, lembre-se das mirabolantes cúpulas da catedral de São Basílio, em Moscou, ou dos ícones religiosos das igrejas ortodoxas. São todos sisudos? Recorde-se dos movimentos de balés como Kirov e Bolshoi ou as encantadoras melodias produzidas por Tchaikovsky, Shostakovich ou Stravinsky. Dos czares encastelados no Kremlin a algumas das mais belas e talentosas tenistas do circuito internacional, passando por gênios da literatura como Pushkin, Dostoievski e Tolstoi ou os criadores do viciante Tetris, muito do encanto da Rússia vem de seu próprio povo, complexo, culto e, ao seu modo, muito bem humorado.

 

Conhecer o maior país do mundo é uma odisseia cheia de obstáculos que incluem o alfabeto cirílico, uma infraestrutura um tanto confusa, agentes públicos nem sempre bem-intencionados e a própria extensão da Rússia, que se estende de Vladivostok ao Mar Báltico, da gélida Sibéria aos resorts do Mar Negro.

 

Para uma semana muito bem aproveitada, divida-se entre São Petersburgo e Moscou, tão atraentes como distintas entre si. Em ambas abundam palácios, igrejas, ótimos restaurantes e uma vida cultural agitada, repleta de teatros e concertos do mais alto nível. Se sobrar tempo e disposição, descubra os lagos e igrejas da Karelia, junto à fronteira com a Finlândia. Se a pedida por uma jornada para toda uma vida, aventure-se pelos 10 mil quilômetros e oito fusos horários da ferrovia transiberiana, testemunhando pela janela do trem paisagens que vão de pradarias intermináveis ao lago Baikal.

Roteiros Sugeridos